segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Encerrando as férias...

Bom, infelizmente as férias estão acabando, mas considero que deu pra descansar bem e renovar as forças.  Respirar em outros ambientes e sair um pouco da rotina. No entanto, é preciso retomar o curso da caminhada. Oremos uns pelos outros.

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Mais um aniversário...

Mais um ano de vida sacerdotal dedicado à Igreja. Peço simplesmente ao Senhor que ele continue me ajudando a ajudar as pessoas para encontrarem-se com Ele. Única coisa que gostaria nesse dia é oração. Oremos uns pelos outros.

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Vigário Episcopal - Parte 2

O que é necessário para ser vigário episcopal?
As recomendações expostas nas normas da Igreja para nomeação de um vigário episcopal consistem, além daquelas previstas para um sacerdote, que tenha a idade mínima de 30 anos, algum título acadêmico eclesiástico (doutorado ou mestrado), quais sejam direito canônico ou teologia. Caso não possua nenhum desses títulos pede-se que, ao menos, sejam peritos nas referidas disciplinas. Além disso, que o vigário episcopal seja guardião da sã doutrina, tenha em conta a probidade, busque a prudência e esteja aberto para adquirir experiências tão necessárias para a atividade confiada (cf. cân. 478 §1). Tais características valem também para o vigário geral, conforme aponta o direito. Outro elemento a se considerar é que a norma proíbe o acúmulo de ofício dos vigários episcopais ou gerais com aquele de cônego penitenciário, caso haja na diocese, e ainda não permite que os mesmos tenham parentescos com o Bispo até o quarto grau (cf. cân. 478 §2).

domingo, 22 de janeiro de 2012

Preparação para 2012

Como é sabido estou no período de descanso. Isso, entretanto, não significa que a cabeça está parada, pelo contrário, está a mil por hora. Os planejamentos são muitos e os pensamentos também. Tanto para as funções docentes como para a Paróquia. Muitas coisas boas devem acontecer também na Paróquia. Este ano será mais um ano de formação para todos, além de outras propostas que iremos apresentar ao longo de 2012. Espero contar com a participação maior possível de todos os fiéis paroquianos. Oremos uns pelos outros!

3º Domingo do Tempo Comum - Mc 1,14-20


Convertei-vos e crede no Evangelho!



14Depois que João Batista foi preso, Jesus foi para a Galiléia, pregando o Evangelho de Deus e dizendo: 15'O tempo já se completou e o Reino de Deus está próximo. Convertei-vos e crede no Evangelho!' 16E, passando à beira do mar da Galiléia, Jesus viu Simão e André, seu irmão, que lançavam a rede ao mar, pois eram pescadores. 17Jesus lhes disse: 'Segui-me e eu farei de vós pescadores de homens'. 18E eles, deixando imediatamente as redes, seguiram a Jesus. 19Caminhando mais um pouco, viu também Tiago e João, filhos de Zebedeu. Estavam na barca, consertando as redes; 20e logo os chamou. Eles deixaram seu pai Zebedeu na barca com os empregados, e partiram, seguindo Jesus. Palavra da Salvação.

sábado, 21 de janeiro de 2012

Reflexão - Mc 3, 20-21


A família humana pode fazer com que toda prática de uma pessoa seja vista apenas com olhos humanos, e o resultado disso é a interpretação incorreta dos fatos que devem ser analisados à luz da fé. Os parentes de Jesus não foram capazes de ver o dedo de Deus agindo, e, por isso, achavam que Jesus estava fora de si. Mas o povo foi capaz de ver o que realmente estava acontecendo, pois os corações de todos estavam abertos ao momento presente e à ação do próprio Deus, procurando ver a vida e os ensinamentos de Jesus à luz da fé. Por isso, o povo se reunia em número cada vez maior em torno de Jesus, de modo que ele e seus discípulos nem sequer podiam comer.

Evangelho do dia - Mc 3,20-21


Os parentes de Jesus diziam que estava fora de si.
 

Naquele tempo:
20Jesus voltou para casa com os discípulos.
E de novo se reuniu tanta gente
que eles nem sequer podiam comer.
21Quando souberam disso,
os parentes de Jesus saíram para agarrá-lo,
porque diziam que estava fora de si.
Palavra da Salvação.

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Artigos e estudos particulares de minha autoria - Parte 1

Gostaria de partilhar alguns artigos e estudos que fiz e continuo fazendo nesses últimos anos. Começo partilhando algumas coisas sobre o Vigário Episcopal e sua importância na caminhada eclesial.


Vigário Episcopal:
Novo colaborador do Bispo (1)

O vigário episcopal é uma figura nova surgida, por ocasião do Concílio Ecumênico Vaticano II. A constituição dele depende das necessidades de cada diocese, e da vontade do Bispo diocesano. Sua atividade é definida pelo Bispo, de acordo com a realidade pastoral etc. A constituição dessa nova figura se explica a partir da atenção especial que a Igreja quer dar para determinadas minorias, como explicitam os documentos referentes (cf. CD 27a; ES I, n. 14,1).

Qual o significado do termo “vigário episcopal”?

O termo “vigário” vem do substantivo latino “vicarius, ii”, que significa aquele que faz às vezes de alguém, substituto, representante. Nesse caso, podemos dizer que o vigário é aquele que atua no lugar de alguém, quando este não se encontra presente. E, aqui, se refere ao Bispo diocesano. E o que quer dizer “episcopal”? O termo “episcopal” deriva do grego “epískopos”, que também foi assumido pela língua latina com a expressão “episcopus, i”, que significa supervisor, guarda, vigilante. Portanto, o vigário episcopal é aquele que supervisiona uma pequena parte do Povo de Deus a ele confiada. Ele está diretamente ligado à cabeça da diocese, que é o Bispo diocesano, e que faz as suas vezes na tarefa determinada.
Como dizia anteriormente, a figura do vigário episcopal é uma figura recente na Igreja. A determinação está contida especialmente em um Decreto do Vaticano II, chamado Christus Dominus n. 27: “[...] Sempre que a eficiente administração da diocese o exija, pode o Bispo diocesano constituir um ou mais Vigários Episcopais. Estes, pelo próprio direito, gozam, em determinada região da diocese ou para uma categoria de assuntos, ou para os fiéis de determinado Rito, daquele poder que o direito comum atribui ao Vigário Geral” (cf. também cân. 476).
O Decreto citado destaca um elemento importante numa administração, e nesse aspecto naquela diocesana, isto é, que o Bispo diocesano deve se fazer cooperar o mais possível por meio de presbíteros em geral e de fiéis leigos. Ou seja, tanto os presbíteros como os fiéis deveriam ser, na medida do possível, especialistas na atividade para isto designado.
            Em breve análise do documento, consideramos alguns elementos basilares. Em primeiro lugar a “exigência” administrativa. Dada às inúmeras e crescentes ações pastorais de uma diocese, e consequentemente um perigoso acúmulo de trabalho sobre alguns se faz necessário ampliar e distribuir as funções. No entanto, alguns desses encargos são específicos e especiais. É o caso do vigário episcopal. Por quê? Porque para ser vigário episcopal, conforme a norma da Igreja precisar ser sacerdote (cf. cân. 478 §1). Portanto, um fiel leigo não pode ser nomeado ou constituído vigário episcopal. Os fiéis leigos colaboram naquele encargo ou função que não pressupõe a ordem sacra (cf. cân. 228). A partir da necessidade administrativo-diocesana, a juízo do Bispo, pode ser constituído um ou mais vigários episcopais, desde que sejam sacerdotes, e nomeados por tempo determinado. Há uma exceção sendo um Bispo auxiliar (cf. cân. 477).


[1] Texto redigido pelo Pe. Valdir Manuel dos Santos Filho, scj (especialista em Direito Canônico)

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Reflexão - Mc 2, 23-28


Novamente entra em discussão a questão das práticas religiosas. O evangelho de hoje nos apresenta a questão do legalismo religioso e da verdadeira finalidade da religião. Muitas vezes, vemos que as religiões estão muito mais fundamentadas em proibições do que em motivações e na criação de novos relacionamentos das pessoas com Deus e das pessoas entre si. O resultado dessa mentalidade é que a religião se torna cada vez mais uma coisa odiosa e insuportável, e Deus aparece não como um Pai amoroso, mas como um carrasco autoritário. A verdadeira religião é aquela que cria valores e leva as pessoas à maturidade em todos os sentidos para que livremente possam optar por Deus
 
Fonte:  http://www.cnbb.org.br/liturgia/app/user/user/UserView.php

Evangelho de hoje - Mc 2,23-28


O sábado foi feito para o homem,
e não o homem para o sábado.

23Jesus estava passando por uns campos de trigo,
em dia de sábado.
Seus discípulos começaram a arrancar espigas,
enquanto caminhavam.
24Então os fariseus disseram a Jesus:
'Olha! Por que eles fazem em dia de sábado
o que não é permitido?'
25Jesus lhes disse:
'Por acaso, nunca lestes
o que Davi e seus companheiros fizeram
quando passaram necessidade e tiveram fome?
26Como ele entrou na casa de Deus,
no tempo em que Abiatar era sumo sacerdote,
comeu os pães oferecidos a Deus,
e os deu também aos seus companheiros?
No entanto, só aos sacerdotes é permitido
comer esses pães.'
27E acrescentou:
'O sábado foi feito para o homem,
e não o homem para o sábado.
28Portanto, o Filho do Homem
é senhor também do sábado.'
Palavra da Salvação.

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Evangelho do dia - Mc 2,18-22


O noivo está com eles



Naquele tempo: 18Os discípulos de João Batista e os fariseus estavam jejuando. Então, vieram dizer a Jesus: 'Por que os discípulos de João e os discípulos dos fariseus jejuam, e os teus discípulos não jejuam?' 19Jesus respondeu: 'Os convidados de um casamento poderiam, por acaso, fazer jejum, enquanto o noivo está com eles? Enquanto o noivo está com eles, os convidados não podem jejuar. 20Mas vai chegar o tempo em que o noivo será tirado do meio deles; aí, então, eles vão jejuar. 21Ninguém põe um remendo de pano novo numa roupa velha; porque o remendo novo repuxa o pano velho e o rasgão fica maior ainda. 22Ninguém pðe vinho novo em odres velhos; porque o vinho novo arrebenta os odres velhos e o vinho e os odres se perdem. Por isso, vinho novo em odres novos'. Palavra da Salvação.

Período de descanso...

Bom dia a todos e todas. Estou no meu período de descanso, que considero merecidos (heheh). Já postei noutra ocasião aqui no blog sobre a importância do bom descanso, das pequenas férias. Todos merecem e todos devem fazer isso. Faz bem para o corpo, a alma e a mente. Não se esqueçam disso!

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012